Pesquisar este blog

Carregando...

sábado, 11 de maio de 2013

Pesquisadores apresentam, no Acre, fóssil de jabuti que viveu há oito milhões de anos


Fóssil reconstituído de um jabuti que viveu na Amazônia há 8 milhões de anos (Foto: Glauco Capper/Ascom/Ufac)
Pesquisadores da Ufac (Universidade Federal do Acre) divulgaram nesta terça-feira um fóssil de um jabuti gigante que viveu na Amazônia há cerca de 8 milhões de anos. Ainda se sabe pouco sobre o animal, mas os cientistas acreditam que ele seja parente dos jabutis que habitam as ilhas Galápagos e foram celebrizados pelo naturalista Charles Darwin.

"Possivelmente, esses jabutis gigantes, cujo habitat foi todo o território da América do Sul, foram os ancestrais diretos dos animais da mesma espécie, também de grandes dimensões, mas não tanto, que hoje podem ser encontrados apenas nas ilhas Galápagos", explicou o professor Edson Guilherme, membro do Laboratório de Paleontologia da instituição.

O fóssil foi encontrado em 1995, no Alto Rio Acre, em área do município de Assis Brasil. A reconstituição do fóssil, no entanto, só foi feita agora. Alguns elementos, como as patas e a cabeça do jabuti, são artificiais e foram usados para "incrementar" a exposição.

"Essa descoberta é muito importante, porque nos ajuda a entender como era a vida na região amazônica no passado e mostra, de certa forma, que foram da América do Sul os primeiros jabutis gigantes que colonizaram as ilhas remotas do Oceano Pacífico", diz Edson Guilherme.Os cientistas dizem que uma boa parte da demora foi porque o exemplar estava muito fragmentado.

GRANDALHÃO
O jabuti amazônico tinha mais de 1,5 metro de comprimento e era maior que os jabutis gigantes das Ilhas Galápagos.

Para os cientistas, eles eram provavelmente parentes.

Os pesquisadores comemoraram a descoberta, mas ainda há muito a se estudar sobre o fóssil. Por enquanto, só foi possível bater o martelo quanto a seu gênero, que é Chelonoidis.

O réptil se alimentava de frutas, pequenos répteis e anfíbios e da carcaça de outros animais.

Fonte: Folha.com