PROERD do 6º BPM forma 162 alunos em Senhor do Bonfim


O Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência - PROERD do 6º Batalhão de Polícia Militar formou mais 162 alunos de escolas particulares de Senhor do Bonfim, na tarde desta terça-feira (14), no Centro Cultural Ceciliano de Carvalho.
Participaram da solenidade o Prefeito Carlos Brasileiro, o Vice Prefeito José Antônio de Oliveira, o Subcomandante do 6º BPM, Major PM Carlos Andrade, entre outras autoridades, diretores das escolas, familiares dos alunos e convidados.
No PROERD são ministradas aulas por policiais preparados para explicar todos os efeitos das drogas e para orientar as crianças a dizerem não quando lhe são oferecidas. A Unidade conta com os instrutores Cabo PM Cristina, Soldado PM Evani e Soldado PM Eduardo, sob a coordenação do Capitão PM Robston.
O Major Andrade falou sobre a importância da prevenção às drogas para a Segurança Pública e reiterou: “o PROERD é como uma vacina contra um mal que adoece nossa sociedade.”
Em um trecho de uma das redações premiadas, a aluna Clara, do Centro Educacional Sagrado Coração, afirmou: “Com o PROERD aprendi a dizer não às drogas, ao bullying e à violência, descobri também que para ser um bom cidadão é necessário relatar as ofensas e mágoas sofridas por todos e ajudar a quem precisa”.
PMBA e a Comunidade na Corrente do Bem!

Ascom 6º BPM

6º BPM realiza prisão por furto de veículo


Policiais da 5ª Companhia do 6º Batalhão de Polícia Militar realizaram prisão por furto de uma motocicleta Honda CG 125 Titan, de cor verde, licença de Filadélfia, nesta sexta-feira (10), às 14h35, na Travessa Alvino Maia, centro de Filadélfia.
Em diligência pela BR 407, nas proximidades do povoado de Aroeira, os policiais avistaram três homens em duas motocicletas, sendo uma delas a que havia sido furtada. Os suspeitos abandonaram os veículos e empreenderam fuga por um matagal.
Um dos acusados, de 18 anos, foi alcançado e apresentado na delegacia de Polícia Civil, onde foi autuado em flagrante. A motocicleta furtada foi recuperada e a outra utilizada pelos envolvidos, uma CG 125, de cor vermelha, foi apreendida para permanecer a disposição da justiça.

Ascom 6º BPM

Policiais do 6º BPM apreendem arma de fogo


Policiais da Companhia de Emprego Tático Operacional - CETO do 6º Batalhão de Polícia Militar apreenderam uma arma de fogo, nesta quinta-feira (16), às 21h30, no Bairro Cidade Nova 3, em Senhor do Bonfim.
Em rondas no bairro, a guarnição avistou dois homens que se evadiram com a aproximação da viatura, deixando uma mochila que continha uma espingarda de fabricação caseira, a qual foi apresentada na delegacia de Polícia Civil.

Ascom 6º BPM

Artigo: Um olhar policial sobre os salteadores da dignidade feminina, sobretudo os de Jaguarari e Senhor do Bonfim


Por Elieton Cordeiro da Paixão/Oficial da PMBA e Licenciado em História pela UPE

Por que os homens se julgam no direito de agredir as mulheres? Em que lei está assegurada a prerrogativa de tal agressão? Por que alguns homens dessa região, sobretudo das cidades de Senhor do Bonfim e Jaguarari, entendem que podem agredir mulheres como se elas fossem escravas? As respostas para essas perguntas são chocantes quando se dialoga com os agressores.
Alguns entendem simplesmente que possuem direito natural sobre suas companheiras; outros entendem que podem abusar daquelas que estão sob sua dependência financeira, como demonstrou recentemente um senhor acusado de estuprar a própria neta aqui em nossa região. Ele entendia que o fato de sustentar e manter economicamente sua descendência lhe conferia o direito do “abuso”. Infelizmente temos concepções dessa natureza nesses rincões do Brasil.
Ainda estamos presos a um passado colonial, com baixíssima concepção de dignidade humana. Os exemplos de violência à mulher nessa região nos convidam a uma reflexão para entender os porquês dessa barbárie em pleno séc. XXI. Há algo errado na formação dos homens no Piemonte Norte do Itapicuru. Por aqui muitos entendem como algo normal agredir uma mulher.
A paisagem cultural tenebrosa que se contempla sob o olhar de um policial aponta que muitos homens dessa região têm convicção de que suas companheiras, filhas ou simplesmente o fato de serem mulheres, já é motivo para sujeição aos homens. Toda região do Piemonte Norte do Itapicuru está infestada de “machões” que enxergam as mulheres como propriedade material.
É como se eles vivessem na Roma medieval, onde existiam leis que davam aos homens o direito de castigar suas esposas até a morte. Aliás, a morte tem sido o destino de varias mulheres por aqui. Em Jaguarari se mata uma mulher a pauladas pelo fim de um relacionamento; em Pindobaçu, pelo mesmo motivo, se mata uma mulher a tiros. Já em Bonfim se mata por asfixia e por golpes de faca. Tais crimes são vistos sob o eufemismo de “passionais”, ou “violenta emoção”, segundo a doutrina penal.
Entretanto o policial, cujo labor diário o arrasta para centenas de ocorrências envolvendo violência contra a mulher, sabe que a situação está para além da paixão. O que de fato temos é um problema cultural agigantado, que se compara aos rituais macabros de “mutilação genital feminina”, ocorridos em algumas regiões da África. Também por aqui, as sessões de socos, tapas, pontapés, xingamentos, espancamentos, torturas, humilhações e feminicídios são tão frequentes que não estão mais causando estranheza, e por isso vai se firmando no imaginário das futuras gerações como algo normal. É a banalização dos fatos assombrosos que os tornam fatos culturalmente aceitáveis. E nessas terras do Piemonte Norte do Itapicuro, o alto índice de agressões tem tornado esta prática como algo trivial.
Os números registrados pelo 6º BPM envolvendo violência doméstica são uma vergonha para nossa região. É a concretização do assalto à dignidade feminina sendo perpetrada por brutos. Até o mês de outubro de 2017, foram 215 ocorrências registradas por policiais militares. Senhor do Bonfim lidera em números absolutos, seguido por Jaguarari, Cansanção e Queimadas. Todavia, em números proporcionais, Jaguarari assume a vergonhosa liderança. Do total de ocorrências, 76 resultaram em condução à DEPOL.
Junho foi o mês em que mais se registrou ocorrência envolvendo violência contra mulher, plenamente justificável pelas festas ocorridas na região. Enquanto policial, devo advertir que estes números registrados pelo 6º BPM, na prática, são bem maiores, pois existem muitos casos que não são denunciados, ou aqueles que são denunciados, no entanto, a vítima se recusa prestar queixa-crime, e em muitos casos se negam a falar com o PM, temendo as represálias futura dos companheiros.
Existe uma multidão de casos que ocorrem no ambiente doméstico e que não chegam ao conhecimento da corporação. É a chamada “cifra negra”, um conceito da criminologia referente àqueles crimes que não chegam ao conhecimento das autoridades, permanecendo ocultos. Os números registrados pela PM são uma vileza, mas eles representam somente a ponta do iceberg. A realidade é muito mais infernal. E os agentes de segurança que estão no teatro de operações sabem disso.
No CICOM (Centro Integrado Comunicação de Senhor do Bonfim, 190), a violência contra mulher figura como a segunda maior causa de solicitação de policiamento, perdendo apenas para perturbação do sossego. Isso sem levar em consideração o Disk Denúncia 180, específico para denúncias de violência contra a mulher. O reflexo desses números levou o comando da unidade a implementar a Ronda Maria da Penha, que trabalha em conjunto com outros órgãos, para inviabilizar a perpetuação das agressões sofridas por mulheres com medidas protetivas. Uma iniciativa louvável que tem ajudado bastante a dignidade feminina, com a efetiva participação da Polícia Militar nesta causa.
Sobre as medidas protetivas previstas na Lei Maria da Penha, há quem entenda que elas são puro eufemismo e abrandamento da lei. São como se elas estabelecessem níveis de agressões às mulheres e uma alternativa à prisão dos agressores. Talvez seja reflexo da aberração dos nossos dias, em se criar várias medidas cautelares opcionais à prisão, pois os presídios e cadeias públicas não comportam mais ninguém.
O Brasil travou! Prender um agressor, ou qualquer outro criminoso, se tornou burocrático ao extremo. Esses são tempos em que se inocenta por excesso de provas. As medidas cautelares são uma opção à falência carcerária, conjugada com a política criminal, que vem transformando ainda mais o país no paraíso da impunidade. Uma desonestidade muito grande com as vítimas. São muitos recursos e beneplácitos ao dispor dos criminosos, e aqui entram, também, os salteadores da dignidade feminina, que por essas terras não cessam de se multiplicar. São como os passageiros de Caronte (Divina Comédia, Dante) o barqueiro do inferno. Eles aparecem a todo instante formando aquela paisagem sombria no primeiro círculo do inferno. E o que pensa o policial militar diante dessa problemática?
Quando os furúnculos estouram na superfície do tecido social, são os policiais que sentem de imediato os efeitos. As vicissitudes sociais, quando irrompem na “pele social”, são logo sentidas pelas forças de segurança, principalmente pela PM. A polícia trabalha muito na consequência dos fatos, causados muitas vezes pelo vácuo das demais instituições, incluindo aí a família. Ela trabalha em todos os flancos dos comportamentos desviantes e importunadores da ordem e da paz social.
Estamos na base da pirâmide social e a ela nos misturamos, somos filhos dessa amálgama social disforme, saindo dos mesmos cantos e extrato da sociedade, como o inspetor Javret em os Miseráveis (Victor Hugo). Estamos no mesmo patamar sombrio daquilo que combatemos. Eis aí a razão imensurável pela qual o PM torna-se especialista nessas oscilações comportamentais da sociedade. Somos as mãos que arestam as imperfeições do objeto. É por estar tão arraigado a esses acontecimentos danosos que temos maior sensibilidade e entendimento sobre causas e consequências das agressões à mulher. Somos os primeiros a chegar ao local dos fatos, e é a partir dos nossos relatos que o trabalho das demais instituições acontecem. Mas qual a gênese desses agressores, sob a ótica do policial?
Os homens não nascem violentos. Eles aprendem e replicam a violência, principalmente a violência contra mulher. É a cultura da violência vivenciada pela sociedade que mais tem formado agressores de mulheres. Aqui na região são tantos casos de violência doméstica que acabam afetando as crianças em seus lares. São filhos que presenciam seus pais chegarem bêbados em casa, agredindo suas mães das mais variadas formas de violência (verbal, patrimonial, sexual, psicológica e física).
Os maus-tratos e desprezo para com as mulheres são tantos, que os jovens vão se tornando adultos e encarando esse quadro como algo normal, e quase sempre repetem o comportamento dos agressores, pois nesse universo não existe a censura moral para estes atos de violência. Pelo contrário, às vezes é até glamourizado. Isso quando somado à baixa escolaridade potencializa ainda mais, devido a ausência de conhecimento em matéria de cidadania e dignidade da pessoa humana; coisas que se aprende, primeiramente no seio familiar, depois na escola e nas demais instituições de controle social. O desajuste familiar, a concepção da mulher como subserviente, o uso de bebida alcoólica (na maioria das ocorrências atendidas pela PM, o agressor quase sempre se encontra ébrio), a falta de denúncia, a impunidade, o desprezo pela escola nutrido pelos jovens etc. São fatores que formam os salteadores da dignidade feminina por essas terras.
São estes aspectos que estão transformando as mulheres dessa região em “saco de pancadas”. Importante ressaltar que a visão policial não enxerga culpa nas vítimas. Nós compreendemos os vários motivos que levam essas criaturas a sofrerem caladas. Também não comungamos com qualquer visão de que o agressor seja doente, no sentido de inocentá-lo (vítimas da sociedade).
Sanar essa vergonha é uma tarefa difícil. Aqui no Alto Sertão, em alguns pontos, vivemos ainda como homem medieval. Uma vasta ignorância funcional paira sobre as pessoas, há um desprezo pelas letras nesse canto geográfico da Bahia, que precisa ser estudado. A família desajustada, a ignorância, a baixa escolaridade, os laços fracos de solidariedade, e acima de tudo a impunidade das agressões, tem formado essa vergonha em nossa região.
Entendo que a punição tem caráter pedagógico muito forte para a correição, o contrário também tem muita força, mas para ajudar a perpetuar as agressões. Bater em mulher e não ser responsabilizado penalmente, ou mesmo moralmente, com a censura social do meio, é continuar fabricando monstros para aterrorizar as mulheres. Alguns até conhecem, ou já ouviram falar na Lei Maria da Penha, mas isso não intimida. Aliás, as leis no Brasil não mais intimidam, o Direito Penal perdeu seu simbolismo há muito tempo.
Para alguns agressores, as leis não passam de letras em papéis sem nenhuma efetividade. Estão em outra esfera pragmática. Para muitos deles as instituições públicas são incompreensíveis, afastados das letras. Vivem como o personagem Fabiano, em Vidas Secas (Graciliano Ramos). Precisamos reestruturar a família e mandar essa gente pra escola. Despertar o lado satisfatório da educação e da civilidade. Mostrar que o respeito à mulher começa em casa. Evidenciar que práticas ocorridas no Brasil e no mundo, de violência contra a mulher não são mais aceitáveis. Casos de ataques com ácido, estupro coletivo, mutilação genital, agressões, pagamento de dotes, assédio sexual, crime de honra, feminicídio, casamento forçado, escravidão sexual, apedrejamento, tráfico de mulheres, prostituição forçada e muitas outras formas de violência são atitudes indecorosas que mancham a imagem do homem sobre a terra.
Por fim concluo relatando sobre o labor policial. Atesto, após alguns anos trabalhando na área operacional, diretamente com fatos e atos repugnantes, onde conhecemos a natureza vil do homem, que policiais militares são fontes fidedignas de pesquisa. Na sociedade nós conhecemos do ingênuo ao assassino; do ladrão ao homem de boa vontade; da delinquência juvenil aos chefes de quadrilha. Conhecemos as engrenagens do submundo, pois os atores das sombras são presos por nossas ações. Sabemos sobre homens na mesma medida daqueles coveiros de Hamlet, no Ato V, Cena I (William Shakespeare).
Ali se revela a compreensão real e pura sobre a alma dos homens e o seu fim, sem devaneios românticos das pessoas de gabinete. Finalizo ressaltando que mesmo sendo demonizados por parte da imprensa e por alguns pseudo intelectuais doutrinadores, estamos incessantemente nas ruas de todo o país, configurando a última trincheira de defesa social. Sendo destruída essa trincheira, Roma ruirá perante os bárbaros. Independente de reconhecimento da população ou da mídia, e querendo ou não, todos os homens quando se postam diante do perigo gritam pela polícia. Por este motivo a palavra “polícia” casa bem com “esperança”, pois efetivamente se coloca entre o criminoso e a sociedade. A palavra que os lábios das vítimas balbuciam antes, durante e após o ataque dos homens maus…polícia, polícia!

Mais uma pessoa é presa por morte de jogador de basquete

O Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) cumpriu, nesta quinta-feira (16), o mandado de prisão temporária contra o soldado PM Alexsandro de Souza Cerqueira, que se apresentou acompanhado de advogado. Ele é apontado como um dos responsáveis pelos tiros efetuados na madrugada do dia 5 de novembro, que deixou duas pessoas feridas e matou o jogador de basquete Ednei Moreira Bahia. Outro policial, Frederico Santos Costa, já está preso.
Em depoimento, Alexsandro disse que deu tiros para o alto apenas como forma de defesa, já que Ednei e seus amigos o teriam ameaçado. Uma pistola calibre 380 de sua propriedade foi apreendida e encaminhada para perícia no Departamento de Policia Técnica (DPT), onde será submetida ao Ibis (Sistema de Identificação Balística). Este equipamento é capaz de revelar de qual arma pertence o projétil encontrado no corpo do jogador.  Depois de ouvido, o policial passou por exames médicos no DPT e foi encaminhado para a Corregedoria da Policia Militar.

Ascom SSP- BA

Droga avaliada em R$35 mil é apreendida


Investigadores do Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco) e da 9ª Delegacia Territorial (DT/Boca do Rio) apreenderam, nesta sexta-feira (17), 1.452 pinos de cocaína, 235 pedras de crack e 70 porções de haxixe. A droga, avaliada em R$35 mil estava escondida em uma casa, na Rua Sucupira, no Nordeste de Amaralina.
Na casa, também foram encontradas 56 munições para calibres 38, 32, ponto 40, 9mm e 7.62, este último usado para fuzil AK47. Material para refinamento e distribuição da droga, como liquidificador industrial, fermento em pó e embalagens plásticas, também foram apreendidos, bem como um colete a prova de balas e radio comunicadores.
Os policiais chegaram ao laboratório depois de uma denuncia anônima de que o local estava servindo como ponto de venda de drogas. Três traficantes que estavam na casa, ao perceberem a chegada da policia, fugiram. A droga foi encaminhada para perícia no Departamento de Policia Técnica (DPT).

Ascom SSP- BA

Quatro sequestradores são presos em três dias


Franklin Costa Araujo


Eulixandre Gonçalves da Silva


Rafael Miranda dos Santos


Mateus Teodoro Marinho


Reinan Silva Limas Pinto


Wilian Gonzaga de Souza

Quatro criminosos envolvidos em um sequestro, ocorrido entre os dias 5 e 9 de novembro, na cidade de Seabra, tiveram seus mandados de prisão preventiva cumpridos nos dias 14 e 16 de novembro, por investigadores do Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), e das Coordenadorias Regionais de Policia do Interior (Coorpin) das cidades de Irece e Seabra.
O primeiro a ser preso, Reinan Silva Limas Pinto, de 21 anos, estava na zona rural da cidade onde o sequestro ocorreu, quando os policiais o encontraram, na terça (14). No mesmo dia um mandado foi cumprido na Cadeia Pública de Salvador, contra Franklin Costa Araujo, apontado pelas investigações como o mentor crime.
Na quinta-feira (16), foi a vez de Eulixandre Gonçalves da Silva, 27, que estava na zona rural de Itaquara, e de Wilian Gonzaga de Souza, 24, que tentava fugir da cidade de Irecê, serem presos.
Os criminosos abordaram a vitima na noite do dia 5, em frente a sua residência, onde passaram a noite. Na manha do dia seguinte o jovem foi levado pelo grupo, composto por cinco homens encapuzados, para o cativeiro, localizado na zona rural de Seabra. Três dias depois ele foi solto em local combinado com a família, após o pagamento do resgate.

Investigação
A polícia foi acionada através de uma instituição bancária, que desconfiou da movimentação financeira feita por parentes da vitima e entrou em contato com o departamento. O delegado Cleandro Pimenta, da Coordenação de Sequestro e Extorsão, do Draco, contou que a investigação começou a partir desse momento.
Pimenta ainda explica como Franklin, mesmo da cadeia, conseguia arranjar parceiros para executar os sequestros: “Com os celulares, ele mantinha contato com parceiros antigos e também através dos colegas de cela, que indicavam outros criminosos”.
As vítimas, sempre fazendeiros e microempresários, eram escolhidas também mediante ao conhecimento de Franklin, que, embora tenha nascido na cidade de Santo André, em São Paulo, morou há décadas na região centro-oeste da Chapada, onde os crimes ocorreram.

Franklin
A primeira prisão de Franklin, que é cunhado de Zé de Lessa, criador de uma organização criminosa que age na Bahia, ocorreu em 2004. O sequestrador, que era segurança do Banco do Brasil na cidade de Canarana, se juntou a uma quadrilha e assaltou a instituição bancaria para qual trabalhava.
 Em 7 de setembro de 2016, ele foi preso novamente, dessa vez em cumprimento a um mandado de prisão relativo a um sequestro ocorrido na mesma cidade que houve o roubo a banco, em maio de 2016. Já dentro do presídio, ele coordenou um sequestro em Lapão, em agosto 2017.  
Atualmente Franklin responde a quatro processos criminais, sendo três pelos sequestros citados acima e um por trafico. “Ele foi flagrado com drogas quando os agentes penitenciários revistaram a cela dele, antes do mandado ser cumprido nesta de terça-feira”, contou Pimenta. Foram encontrados 200 gramas de maconha na cela dele, além de celulares e uma faca. O flagrante já foi convertido em prisão preventiva pela Justiça.

 Foragidos
Mais dois criminosos que atuaram no sequestro possuem mandados de prisão preventiva e estão sendo procurados pela policia. São eles, Rafael Miranda dos Santos, o Bicudo, 18, que já foi apreendido quando adolescente por porte ilegal de arma de fogo, e Mateus Teodoro Marinho, 22, que já foi preso por trafico de drogas. 

Ascom SSP- BA

Vigilância Sanitária alerta sobre uso indiscriminado de antibióticos

 

Após palestras e discussões sobre o papel da sociedade e dos profissionais de saúde na utilização e prescrição correta de antibióticos, o simpósio “Semana Mundial de Uso Consciente de Antibióticos – Petrolina fazendo sua parte”, realizado pela Agência Municipal de Vigilância Sanitária, encerrou na tarde desta sexta-feira (17).
O evento, que aconteceu no Sest/Senat, teve como objetivo principal a conscientização da sociedade sobre a utilização indiscriminada de antibióticos, que deve ser utilizado somente com prescrição médica e em casos que realmente necessitem deste tipo de medicamento. Participaram do encontro o professor Dr. Mateus Matiuzzi da Costa, da Universidade Federal do Vale do São Francisco e o especialista da Agência de Vigilância Sanitária, Heberton Solano Novaes.
“A Organização Mundial de Saúde celebra entre os dias 13 e 17 de Novembro a Semana Mundial de Uso Consciente de Antibióticos, e nós não podíamos deixar passar essa oportunidade em Petrolina. Discutimos o quanto é necessário que, antes de tomar qualquer antibiótico, o paciente busque orientação, já que nem sempre a doença é tratada com este tipo de remédio. O uso responsável dos medicamentos também ajudará a reduzir a ameaça de resistência aos antibióticos”, destacou o diretor da Vigilância Sanitária, Anderson Souza.

ANTIBIÓTICOS

Os antibióticos são medicamentos utilizados para eliminar as bactérias e tratar doenças provocadas por elas, mas as bactérias têm mecanismos para se defenderem quando são expostas repetidas vezes e por longos períodos aos antibióticos. A resistência aos antibióticos é uma defesa natural das bactérias e pode ser transferida para outras bactérias no meio-ambiente e para as gerações seguintes, com alta capacidade de disseminação. Apesar de ocorrer naturalmente, o problema tem se agravado a partir do uso inadequado de antibióticos tanto na saúde humana quanto dos animais. Por isso, está cada vez mais difícil tratar um crescente número de infecções e a resistência aos antimicrobianos está sendo considerada uma das maiores preocupações globais em saúde pública. (Anvisa).

Ascom PMP

Setor de iluminação da SESP atua na sede e interior de Juazeiro


A Secretaria de Serviços Públicos (SESP) realizou a manutenção na área de iluminação em várias regiões de Juazeiro esta semana. Nesta sexta-feira (17) foram atendidos os bairros Piranga, Santo Antônio, Jardim Flórida, Castelo Branco, Vila Tiradentes, Country Clube, Horto Florestal, Malhada da Areia, Alto da Maravilha, Piranga II, Orla II, Alto do Alencar, João Paulo II, e o Parque Residencial e Residencial Brisa da Serra.
O setor ainda intensificou esta semana as ações com atendimento de solicitações da população em mais de 20 bairros da cidade e atendeu também ao interior. Ao todo foram realizadas mais de 180 intervenções.
O secretário de serviços públicos Celso Leal ressalta que esse tem sido um trabalho realizado constantemente pela gestão. "Temos atendido todos os bairros da cidade de forma programada, dentro do que chega a nossa secretaria, bem como nas fiscalizações que fazemos, porque entendemos que a iluminação traz segurança e qualidade de vida para a população", justificou Celso Leal.
Para solicitar serviços de iluminação, a população deve ligar para o telefone 3612-5411, informando o endereço e a demanda. A solicitação pode ser feita de segunda a sexta-feira das 8h às 12h e das 14h às 18h. No ato da ligação é gerado um número de protocolo, o qual deve ser anotado para o acompanhamento da solicitação.

Luzete Nobre/SESP

PRF recupera em Feira de Santana/BA caminhão roubado em São Paulo/SP


A Polícia Rodoviária Federal (PRF) recuperou ontem (17), no Anel Viário de Feira de Santana/BA, um caminhão VW/24.280 que havia sido roubado em março deste ano em São Paulo/SP. O veículo ostentava placas “clonadas” e estava supostamente sendo usado por uma empresa no momento da abordagem.
O motorista do caminhão tem 47 anos e disse aos policiais que esse era o seu primeiro dia de trabalho naquela empresa, e que o seu patrão o teria levado até uma oficina onde estava o VW/24.280. O seu trabalho, então, seria dirigir o veículo até a empresa.
Ele foi levado para a Delegacia de Polícia Civil, onde será apurado se ele sabia que o caminhão era roubado.

Ascom PRF- BA

PRF recupera carga roubada de 2,5 toneladas de lagosta


Por volta das 15h de ontem (17), a Polícia Rodoviária Federal recuperou uma carga de 2.500 kg de lagosta. O material estava sendo transportado em um caminhão SCANIA/P 310 quando foi abordado pela equipe no Anel Viário de Feira de Santana.
Os policiais analisaram a Nota Fiscal da carga e perceberam que o veículo seguia no sentido contrário ao local de entrega. Indagado, o motorista não apresentou justificativa convincente. Em contato com a Delegacia de Crimes Contra o Patrimônio (DCCP) de Salvador, os policiais descobriram que havia uma queixa de roubo para aquela mercadoria.
O motorista, que tem 37 anos, foi preso em flagrante pelo crime de receptação de produto roubado. Já as lagostas foram levadas para a DCCP para serem devolvidas ao proprietário.

Ascom PRF- BA

PRF prende em Ribeira do Pombal/BA foragido da Justiça com carro roubado no dia anterior


Às 22h10 de ontem (17), a Polícia Rodoviária Federal (PRF) prendeu um homem de 23 anos que conduzia um TOYOTA/Corolla XEI roubado no dia anterior em Salvador. Ele foi abordado no KM 170 da BR 110, em Ribeira do Pombal, e não portava o Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo (CRLV).
Os policiais realizaram as consultas aos sistemas e descobriram a restrição de roubo/furto do carro e ainda encontraram um mandado de prisão em aberto para o motorista. 
De acordo com ele, o veículo estava “encomendado” e seria entregue em um município vizinho.

Ascom PRF- BA